Jerusalém, Israel

A corrida pela Terra Santa

Conhecer a cidade de Jerusalém sempre foi um grande sonho para mim. A escolha de eu meu marido fazermos a 4ª maratona em Israel nos proporcionou o aprofundamento dos nossos conhecimentos sobre a mistura ímpar de história, cultura e religião desse local , considerado centro do mundo.

A desculpa de correr essa maratona nos fez tirar 15 dias de férias para conhecer Jerusalém, outras partes de Israel e a Jordânia. Pesquisamos muito e fizemos o nosso roteiro com base em dicas na internet, pois estávamos indo sem guia para um lugar que ninguém que conhecíamos havia ido.

Sobre a prova

Depoimentos

Felipe Lins (Belo Horizonte/MG – Brasil) – Prova sensacional! Desafiadora pela altimetria. Torcedores ao longo do percurso, muitos pontos com música, bom planejamento de estrutura, pontos de apoio e finalização num parque muito bonito com seu nome exaltado pelo locutor! Sem falar da grande experiência de passar na cidade antiga!

Raymond (New York/NY – EUA) – Eu corri muitas Meias Maratonas em Nova York e em outros países; mas eu pessoalmente devo dizer que, para mim, a meia maratona de Jerusalém foi uma das Meias Maratonas mais difíceis que já corri. Eu tenho muito respeito pela Meia Maratona de Jerusalém! Foi realmente um desafio e uma das mais maravilhosas experiências internacionais de meia maratona que eu já tive.

A corrida se inicia próximo ao Museu de Israel, no Parque Sacher, com uma infraestrutura e instalações que dão o suporte adequado ao corredor (banheiros, guarda-volumes, algumas “lojinhas”).

A corrida ocorre em uma sexta-feira com influência do “Sabá”, que é o dia de descanso do Judaísmo que vai do pôr do sol de sexta-feira ao pôr do sol de sábado. Portanto não seria possível organizar uma prova para o Domingo a partir de um sábado não trabalhado. 

A prova ocorreu em Março, época boa do ano para a realização dessa corrida. Começa-se o dia com temperatura mais fria e fica agradável conforme se chega mais perto do final da manhã. Em 2018 a prova começou com 11°C e terminou com 17°C. Foi necessário sair com um casaco leve do hotel para resistir à caminhada até a largada.

A prova se desenrola em MUITAS subidas e descidas. Como toda prova de rua, os corredores estavam animados e muitos claramente estavam indo muito forte mesmo sendo sabido que numa prova com tantas elevações não se deve exagerar na velocidade nas descidas para evitar lesões.

A prova é muito bonita, passando por regiões centrais, prédios bonitos e regiões residenciais com muitas pessoas aplaudindo e animando os corredores. Em muitas esquinas, bandas de adolescentes, adultos e crianças animavam a prova durante praticamente todo o percurso. Juro que lá pelo km 18 escutei a música “Ai se eu pego” do Michel Teló.

A parte mais esperada do percurso era passar pelo centro histórico de Jerusalém, por dentro das muralhas da cidade antiga. Como a corrida ocorre em uma sexta-feira sabático, muitos turistas se aglomeravam na cidade antiga, e como não tinham muito espaço para circular nos 500 metros de passagem, observavam a corrida e aplaudiam! Foi emocionando passar pelo Jaffa Gate, em frente a Torre de David e sair pelo Zion Gate.

A chegada se torna emocionante nos quilômetros finais. No perfil de elevação da prova não há dados do km 38 ao final. A verdade é que após a altimetria mostrada ainda existem 2 grandes morros para serem vencidos. A energia começa a acabar, mas o público incentiva a todo o momento, aumentando a cada momento que se aproxima da chegada.

Na reta final, um grande tapete vermelho recebe os maratonistas, ovacionados em palmas e com o “Congratulations” repetido pelo locutor junto a seu nome.

 

Outra preocupação com relação à temperatura é no final da prova. Com o corpo exaurido do esforço passa-se a sentir mais frio. A prova em 2018 entregou folhas de alumínio para ajudar os corredores a manterem a temperatura.

Ao final, após receber o cobertor de alumínio é possível fazer massagem, leve é verdade, mas ajuda na recuperação. Além disso, os corredores recebem alguns alimentos, em especial as Dates, que são as nossas chamadas “Tâmaras Jumbo”. Elas são fantásticas!

Resumindo, prova excelente e super-recomendada! Organizada, limpa, animada em uma cidade alto astral!

Percurso

Mapa do percurso e das chegadas das provas  Maratona, Meia-Maratona, 10 km e 5 km.

Altimetria

Altimetria medida pelo meu GPS de pulso e retirado do aplicativo Strava (832 m de elevação).